Concurso Público Nacional de Projetos de Arquitetura e Complementares para a Sede IAB/DF + CAU/BR


Inscrição Nº 302


Antes de mais nada queremos parabenizar a comissão julgadora pela excelente escolha dos partidos apresentados, porém, como estamos tratando de concurso de projetos e não de ideias, nos vemos forçados a acreditar que a legislação de apoio contida no edital deva ser cumprida. Dito isto e após análise dos excelentes projetos apresentados, constatamos algumas irregularidades e divergências em relação ao programa e principalmente quanto às Normas contidas nele, NGB 01/86, NBR 9050 e COE/DF, inviabilizando até a futura aprovação dos mesmos. Afinal justo será que este concurso mantenha igual condições a todos os candidatos pois o desrespeito a algumas normas poderá favorecer partidos que não a cumpram. Serão descritos a seguir as divergências encontradas em cada projeto classificado: PROJETO 236 (1º colocado) 1. Cota de coroamento acima do permitido a partir da cota de soleira definida pelo candidato; 2. Pé-direito máximo definido pelo COE/DF é de 4,50m, o mesmo se encontra com 5,50m, justificável para o auditório e não para todo o pavimento; 3. Tanto os aterros laterais e posterior criarão paredões danosos aos lotes vizinhos e o entorno imediato. Os afastamentos obrigatórios deveriam seguir o caimento natural do terreno; 4. A NGB 01/86 permite a construção de subsolo e não subsolos. As normas de gabarito do Distrito Federal citam subsolo(s)¹ quando são permitidos mais de 01(um); 5. A cota de soleira não corresponde ao designado pela organização do concurso, 1068,70(1067,50 adotada pelo candidato com variação de 1,20m; 6. No subsolo destinado a garagem não existe acessibilidade assim como vagas para pessoas com dificuldade de locomoção; 7. Nos pavimentos exclusivos de cada órgão não foram previstos banheiros adaptados para ambos os sexos separadamente; 8. A área total de construção máxima de 2.500 m², conforme item 9.2(subsolo) do programa de necessidades foi ultrapassada. PROJETO 09 (2º colocado) 1. A NGB 01/86 permite a construção de subsolo e não subsolos. As normas de gabarito do Distrito Federal citam subsolo(s)¹ quando são permitidos mais de 01(um); 2. A área total de construção máxima de 2.500 m², conforme item 9.2(subsolo) do Programa de necessidades foi ultrapassada. PROJETO 220 (3º colocado) 1. O Pavimento TÉRREO deve corresponder ao acesso à edificação, ou seja, à cota de soleira designada pela organização; 2. A NGB 01/86 permite a construção de subsolo e não subsolos. As normas de gabarito do Distrito Federal citam subsolo(s)¹ quando são permitidos mais de 01(um); 3. A Cota de Coroamento está acima dos 9,50m definida pela NGB 01/86, a partir da Cota de Soleira estipulada pela organização de 1068,70, podendo ter PEQUENA VARIAÇÃO, o projeto em questão variou 1,80m; 4. A acessibilidade interna de alguns blocos está prejudicada como: apenas degraus para acesso a banheiros, apenas degraus para acesso ao bloco do centro de comunicação e ausência de banheiros adaptados(acessíveis) para ambos os sexos separadamente. PROJETO 345 (4º colocado) 1. A NGB 01/86 permite a construção de subsolo e não subsolos. As normas de gabarito do Distrito Federal citam subsolo(s)¹ quando são permitidos mais de 01(um); 2. Não existe no projeto cotas verticais impossibilitando a verificação da Cota de Coroamento, porém, está claro que a mesma foi ultrapassada quando o candidato cria um pavimento além do permitido no edital (três pavimentos, ou seja, térreo mais dois) e determina seu uso para Estar e banheiros na Cobertura e não para salas de reuniões e restaurantes, sala de exposições, jardins e terraços como determina a NGB 01/86. Apenas elementos como casa de máquinas e caixa d’água poderão ultrapassar a altura máxima; 3. A área máxima permitida para o CAU/BR estipulada no programa foi ultrapassada. PROJETO 58 (5º colocado) 1. Não existe no COE/DF a definição de TÉRREO INFERIOR e TÉRREO SUPERIOR e sim apenas Térreo, que corresponde ao acesso da edificação, portanto, à Cota de Soleira de 1068,70 (1070,00 adotada pelo candidato, variação de 1,30m); 2. O TÉRREO INFERIOR deve ser encarado como subsolo, portanto, caracterizando dois subsolos. A NGB 01/86 permite a construção de subsolo e não subsolos. As normas de gabarito do Distrito Federal citam subsolo(s)¹ quando são permitidos mais de 01(um); PROJETO 218 (Menção Honrosa) 1. Cota de coroamento acima dos 9,50m permitido a partir da cota de soleira 1068,50 definida pela NGB 01/86 (1067,50 adotada pelo candidato com variação de 1,0m); 2. O candidato quando utiliza a cobertura para “Conforto para Usuários CAU/BR” e não como determina a NGB, áreas serão destinadas a salas de reuniões e restaurantes, sala de exposições, jardins e terraços, desvirtua o uso determinado pela NGB 01/86 para a cobertura; 3. A NGB 01/86 permite a construção de subsolo e não subsolos. As normas de gabarito do Distrito Federal citam subsolo(s)¹ quando são permitidos mais de 01(um); 4. A área total de construção máxima de 2.500 m² conforme item 9.2(subsolo) do programa de necessidades, foi ultrapassada: Subsolo1 = 2.212,50m², Subsolo2 = 1.653,12m², totalizando 3.665,62m². PROJETO 331 (Menção Honrosa) 1. O projeto não demonstra em sua representação gráfica as cotas de níveis, impossibilitando a verificação da Cota de Coroamento e de Soleira, fundamentais para análise do projeto; 2. Ausência de quadro de áreas impossibilitando a verificação das Áreas e Taxas permitidas pela norma e programa. Conforme os itens do edital: 3.2 Os concorrentes deverão apresentar, para a seleção e julgamento, a primeira etapa do projeto a ser desenvolvido – Estudo Preliminar–, na qual terão plena liberdade de proposta, respeitadas as determinações legais e programáticas. Deverão, também, apresentar as informações gerais e determinantes da implantação da obra, do sistema construtivo, das instalações prediais e especiais, tudo de maneira a demonstrar a viabilidade técnica e financeira do empreendimento, obedecidas as indicações e determinações do conjunto de documentos que compõem as Bases do Concurso. 11.10 São critérios básicos de avaliação, a serem considerados pela CJ, de forma proporcional às escalas avaliadas, tanto em relação aos trabalhos selecionados quanto àqueles laureados com menções honrosas: IV. Código de Obras do DF e Normas Gerais de Edificação: atenção e cumprimento à legislação edilícia local, inclusive normas do Corpo de Bombeiros Militar do DF; respeito ao gabarito, aos afastamentos, às áreas máximas e mínimas dos ambientes e totais; V. Acessibilidade: respeito à legislação geral que dispõe sobre as facilidades para os portadores de deficiências físicas diversas; Desenho Universal, com soluções integradas e harmônicas com as utilizadas pelos não portadores de deficiências físicas; Esperamos e sugerimos que, após a apresentação desta breve análise, haja bom senso e cumpra-se o edital, em relação aos projetos apresentados e aos demais que não atenderem aos itens destacados em sua legislação integrante dando continuidade ao concurso, ou seja, nova análise dos candidatos que atenderam as normas apresentadas e exigidas. Nota 1: A Consulta 119 está com interpretação equivocada da NGB 01/86. O complexo poderá ter 2 pavimentos de garagem? A norma permite? Ou é prioritário para IAB/CAU a solução de 2.500m2 de garagem em apenas 1 pavimento? 05/10/2016 às 08:48 Resposta | Consulta 119 Sim, poderá existir 2 pavimentos de garagem. Porém, fica a critério do autor. A norma determina um subsolo, no singular, e não subsolo no sentido de todo pavimento que estiver abaixo do térreo ou enterrado. Nesse sentido então poderia ter número indefinido de subsolos para garagem. Respondendo ao questionamento, concordo em dois pavimentos de garagem se um estiver situado no térreo e outro no subsolo. Exemplos de Normas de Gabarito (NGB) vigentes com mais de um subsolo: NGB 123/89 7.e. SUBSOLO(S):denominados 1ºao enésimo pavimento situados abaixo do Pavimento Térreo (ou 1ºPavimento) ... NGB 11/89 7-PAVIMENTOS: 7a.Número Obrigatório: 7a.l Para as Superquadras 100 (cem), 200 (duzentos) e 300 (trezentos) dos SRCN e S, e 100(cem), 300 (trezentos) e 500 (quinhentos) do SHCSW:6 (seis) Pavimentos sobre Pilotis, mais Subsolo(s) para garagem. NGB 64/89 7.PAVIMENTOS 7a.NÚMERO MÁXIMO: 6(seis) pavimentos. 7b. SUBSOLO(S): Será obrigatória a utilização de subsolo(s), não incluído(s) na Taxa Máxima de Construção, com ... Aguardamos. Brasília, 21 de novembro de 2016.